In memorian, Débora Mesquita

O Centro Débora Mesquita – CDM nasceu de um drama familiar. Débora Mota Mesquita, uma jovem inteligente, linda, engraçada, amável, também tinha seus rompantes e momentos difíceis. Mas, não era só isso. Aos 23 anos foi diagnosticada com o transtorno de humor conhecido como Transtorno Bipolar. A família procurou ajuda médica quando a situação saiu do controle. Antes do diagnóstico, julgavam ser apenas características de uma personalidade forte. Débora ainda chegou a realizar o tratamento psiquiátrico e terapêutico, porém, após sofrer uma grande decepção, entrou em crise, rejeitou toda e qualquer medicação, e com tentativas fracassadas de internação, por parte da família, adicionadas à falta de informação quanto às opções para proteger a caçula da família, Débora acabou provocando o próprio óbito no dia 20 de Julho de 2012, aos 24 anos de idade. Deixou incompleto o curso de Direito, um salão de beleza, amigos e uma família que a amava muito. 

Késia Mesquita

Késia Mesquita, irmã de Débora, após passar por esta experiência traumática, teve um episódio depressivo grave onde se identificou com a dor da irmã ausente, achando que deveria ter o mesmo destino. Porém, recorreu ao auxílio familiar, profissional e espiritual. Durante este período, Késia notou que não estava sozinha; que muitas famílias sofriam por ter alguém com transtorno, e por conseguinte, não saberem como deveriam proceder em momentos de crise. Assim, enxergando com clareza a necessidade de informação, como também de sensibilização das pessoas que nada sabem sobre o assunto ou que possuem ideias equivocadas sobre o mesmo, “sonhou” e se viu comissionada em seu mais intenso momento de dor a fundar o Centro Débora Mesquita, que hoje, é uma realidade gerando vida e oferecendo auxílio aos que possuem transtornos psíquicos, como também às suas famílias.